Seu nome é Aleff Diego, mas poderia se chamar

A história de vida de um vencedor

Por William Pereira 25/11/2020 - 17:22 hs

A vida sempre nos oferece várias opções de caminhos para seguir. Para uns mais, para outros nem tanto. Mas existe também a opção de traçarmos nossos próprios caminhos. Esta não é a opção mais fácil, e para muitos, está se torna a melhor opção.

Para o filho de dois pequenos agricultores de uma cidade pequena onde a economia gira em torno da agricultura familiar as opções são bem limitadas. Na realidade, quase nulas. A maioria segue a trilha dos pais, se tornando pequenos meeiros de “sucesso”.

Aleff Diego tinha poucas opções, ou se tornava mais um produtor rural, se tornaria um empregado do comércio local ou aceitaria o que o destino lhe impusesse. Entretanto ele resolveu lutar pelo seu destino. Estudou, trabalhou como atendente de bar e restaurante, fez faxina para pagar a faculdade para se formar e vencer na vida.

A história de vida do Enfermeiro Aleff Diego é um exemplo de luta e superação e serve como inspiração para a juventude mariocampense.

Filho de Andréia Maria e Adelmo Roberto, Aleff, nascido no início da década de 90, quando a cidade ainda estava no início da emancipação, Aleff teve uma infância difícil, como muitas outras crianças, porém, resolveu não aceitar as barreiras que a vida lhe impunha.

Ele foi a luta. Lutou pela sua independência. Lutou para fazer a diferença em uma cidade que ainda hoje oferece poucas oportunidades, e mesmo assim, resolveu lutar e vencer pela cidade.

Ainda quando estava cursando faculdade de enfermagem, teve uma das batalhas mais árduas de sua vida, sua mãe estava com um tumor maligno na garganta, mas ele não desistiu, dedicou todas as suas forças para ampara-la e manter os estudos. Durante um longo período sua vida foi dedicada aos estudos e ao acompanhamento de sua mãe no hospital Luxemburgo, em Belo Horizonte, mas infelizmente a doença a venceu faltando pouco mais de um ano para sua formatura.

Com o falecimento de sua mãe ele cogitou em desistir, mas reuniu forças e em memória dela resolveu seguir em frente e se dedicar mais ainda aos estudos e em seguir a carreira de enfermagem para assim poder ajudar as pessoas que se encontrasse doentes.

Aleff se formou e hoje é enfermeiro, bacharel e com 08 especializações na área de saúde e coordenador da UPA 24 horas na cidade vizinha de Sarzedo, onde vem se destacando pelo profissionalismo, amor e dedicação ao trabalho e as pessoas, chegando a ser homenageado com o título de cidadão honorário daquele município. Infelizmente a vida lhe impôs mais uma barreira que ainda não foi vencida, mesmo com capacidade técnica e dedicação a salvar vidas Aleff tem esbarrado no sistema político da cidade que até então é baseado não na competência profissional e sim na capacidade do indivíduo em se render ao sistema.

O caráter e a índole de Aleff, seu profissionalismo e o amor com que se dedica ao que faz o tornaram um ser humano sempre em busca de ajudar ao próximo. E estas qualidades não o deixam abaixar a cabeça diante destes obstáculos, tanto que nos últimos meses foi destaque frente a campanha eleitoral da candidata Andresa Rodrigues e Thalles Campos. Lutou com o empenho que a vida lhe ensinou, levantando as bandeiras da saúde e da educação, mostrando aos jovens do município que sonhar e realizar é possível, e ele mesmo é prova disso.

Logo após a apuração do resultado das eleições Aleff sofreu um ataque proveniente do Secretário Municipal de Saúde, Eder Junior Campos, que se mantém no cargo a quase 08 anos, mesmo sendo odiado pela maioria da população que possui como principal marco da sua trajetória o indiciamento por homicídio duplamente qualificado em 2012.

Por ser o mais cotado a assumir a pasta da saúde caso Andresa fosse eleita, o atual Secretário de Saúde, uma pessoa sem qualificação e sem ética para se manter na pasta comemorou zombando de Aleff, mostrando assim a pessoa desprezível e sem preparo que é para com o tratamento com o ser humano.

Resistência é a palavra que me define. Resisti as dificuldades financeiras, a dor de vivenciar um câncer com uma pessoa que foi e será o grande amor da minha vida, minha mãe, o preconceito de ser pobre e não ter uma linguagem robusta, resisti a uma sociedade onde a valorização é pautada na indicação e não na meritocracia.” – Aleff Diego